Wednesday, March 21, 2007

Blogosferas à direita

Como já disse antes aqui, é notável que a blogosfera brasileira seja maciçamente de direita (no bom sentido, sem julgamento de valor). Até agora, achei pouquíssimos blogs de esquerda brasileiros, menos ainda da esquerda não-bolchevique. Não estou falando de figurões que fazem blogs, mas sim dos blogs mais ou menos amadores (como esse).

Segue um guia das blogosferas liberal e conservadora, aproveitando para chamar a atenção para conflitos recentes entre elas.

Sem sombra de dúvida, na origem de muitos sites da blogosfera direitista brasileira está a influência do Olavo de Carvalho, que, vale dizer, foi o primeiro autor, que eu saiba, a utilizar amplamente os recursos da internet para divulgar suas idéias. Não há, creio, outro autor brasileiro com uma página tão cheia de material quanto a do OC.

Entre os discípulos do OC, destaca-se como referência dos outros, sem sombra de dúvida, o Pedro Sette Câmara, cujo blog, O Indivíduo, tem uma frequência bastante alta, e uma história polêmica. Lá pelos idos dos anos noventa, o Sette Câmara e outros frequentadores dos cursos do OC lançaram, na PUC, um jornalzinho, O Indivíduo, que defendia idéias conservadoras. Houve quem achasse que um artigo do Sette Câmara sobre cotas raciais era racista, a coisa, se não me engano, terminou em porradaria entre estudantes, o reitor da PUC entrou no meio da história, o JB (creio) fez uma reportagem sobre a infiltração conservadora na PUC, vários intelectuais brasileiros foram chamados a opinar, o próprio OC saiu em defesa dos moleques na TV e no jornal, enfim, uma farra. O jornalzinho evoluiu para um blog, atualmente feito exclusivamente pelo Sette Câmara. Recomendo vivamente pelas dicas de poesia (inclusive com boas traduções), mas, politicamente, acho meio bobo. A idéia é combater a esquerda na esfera da cultura (até aí, beleza), e, como resultado, as posições políticas defendidas (por exemplo: se todo Estado é opressor, somente as cidades-estado são razoávelmente livres, ou algo desse tipo) são mais utópicas que as do PSTU, e de que nos serve um conservador utópico? Conservador serve quando é pé-no-chão.

Em linha um pouco diferente vai a turma do Wunderblogs, uma espécie de diretório de blogs mais ou menos direitistas, em geral de tom literário e, por vezes, meio infantilmente esnobe. É um bom lugar para encontrar citações de Nelson Rodrigues, mas também de Paulo Francis, que dita mais ou menos o estilo dos blogs. Alguns dos caras escrevem na Bravo! (onde já escreveu, e tomou um toco em um debate sobre macartismo, OC), e um livro com o melhor dos vários blogs foi editado. No geral, bem escrito, muito frequentemente com ambição intelectual acima do que podem os autores. Se eles forem novos (não os conheço), tá ótimo. Se tiverem passado dos trinta e poucos, já estava na hora de saber fazer coisa melhor. Para quem quiser ver o que dizem os wunderbloggers, sugiro uma passada no Vertigem, do Bruno Garschagen, e no Alexandre Soares Silva, desafortunadamente acronimificado (?) como ASS.

Passando para o lado mais propriamente liberal da blogosfera, destaca-se o site do Instituto Millenium, uma iniciativa interessante de alguns economistas liberais, juntamente com uma parte da turma do OC. Entre seus manda-chuvas está o Paulo Guedes, que é, sem dúvida, muito inteligente, mas a média dos artigos postados no site é, sinceramente, muito fraca. No extremo do libertarianismo (aquela turma que não é chegada em Estado de qualquer tipo, em circunstância nenhuma), um sujeito chamado Lucas Mendes bloga sobre a escola austríaca de economia e coisas do gênero no blog Austríaco.

Os interesados encontrarão muito mais links em cada um dos blogs acima, que poderão levá-los a sites de economia ou aos cismáticos de Lefébvre (não sabe o que é isso? É porque não é um direitista que se preze :) . A lamentar, o flerte com o que há de mais fecalmente leproso na direita americana, como links para o site da Ann Coulter (não, não vou linkar, por questão de higiene).

Recentemente, um fato interessante: um quebra-pau entre o OC, o manda-chuva de metade desses caras, e um blogueiro liberalzão, ligado ao Instituto Millenium, o Rodrigo Constantino, que, fiel a uma vertente tradicional do liberalismo, é radical defensor do laicismo. A coisa ficou preta, e o OC acabou escrevendo um artigo chamado "Porque não sou liberal". O negócio esquentou ainda mais quando o Constantino resolveu descer o malho no Papa pela singela declaração sobre segundos casamentos, provocando uma irada resposta do Pedro Sette Câmara.

Em que medida esses caras refletem algum movimento tectônico na cultura brasileira?Não tenho a menor idéia, mas, como há muito suspeito que uma hora dessas a direita vai voltar a ser uma força política importante para além do fisiologismo e do controle dos ministérios econômicos, é meio preocupante que suas idéias em gestação sejam tão confusas, ou, muitas vezes, tão ruins.

Como esquerdista, isso me preocupa, pois sei que a esquerda teria muito a ganhar com a concorrência de um partido de direita minimamente higiênico: seria forçada a se livrar de muita bagagem ideológica burra. Mas, enfim. É assim mesmo.

2 comments:

Amiano said...

Você é um herói. Não tem Cristo que me faça ler este povo.

Ricardo said...

O cara é viciado em política, e viciado consome qualquer coisa, que nem alcóolatra que toma até álcool zulu.