Tuesday, August 28, 2007

Boa Notícia

Certo, é deprimente ouvir a história do escândalo de corrupção de 2003. Agora, não podemos perder a perspectiva: uma vez descoberto o caso, houve a denúncia, ela foi acolhida pelo Procurador Geral (não mais um “engavetador geral”), caiu na mão de um relator indicado pelo governo, e não há o menor sinal de condescendência até agora. Acompanhar os debates no STF (com todos os problemas que o STF tem) tem sido um saudável contrapeso ao ridículo que foi a CPI (”Dirceeeeu…sai daí, Dirceeeeu….”). Não se trata de elogiar o governo por suas indicações (afinal, é o mesmo governo no banco dos réus), mas sim constatar um certo amadurecimento institucional.

3 comments:

Rabo de Cobra said...

Tomara, caro na prática, tomara. O histórico desses julgamentos já é meio feio: nenhuma condenação (presumo que a política brasileira deve ser constituída por santos). Em se tratando de 37 réus, o julgamento vai durar anos e anos, o suficiente para não haver mais pressão midiática e afrouxar o juízo dos juízes.

Sendo chato e criticando o lado institucional que você elogiou, 6 dos 11 ministros do STF foram indicados pela gestão Lula. E haverá mais um em breve. A lei sobre a nomeação dos ministros do Judiciário nunca foi posta em questão. Não há limites.

Enfim, tomara que você esteja certo, e que a notícia seja realmente boa ao invés de mais uma farsa. Vamos torcer.

Na Prática said...

Grande RDC, claro, pode ainda dar tudo errado, mas eu acho que o que pode dar errado agora já mais ou menos descarta a hipótese de crise institucional. Por exemplo, acho difícil que se prove a acusação de formação de quadrilha, que neste caso, é vaga demais. Mas o importante é que isto seja discutido de maneira estritamente legal, e que as acusações que podem se provadas se transformem em acusações. Algum safado sempre vai se livrar (e nem todo mundo ali é igualmente culpado), mas acho difícil que não dê em nada.

A propósito, não deixe de ir lá no novo endereço!

Chrysantho Sholl Figueiredo said...

Mas é a mesma instituição no banco dos réus, né?

www.oeventuario.blogspot.com